top of page

Mitch Evans no topo, recarga rápida e incêndio; primeiro dia de testes da pré-temporada da Fórmula E

Demonstração da recarga rápida, Evans com o melhor tempo da sessão da manhã e incêndio na garagem do fornecedor das baterias após uma pane no carro da DS Penske



Nesta terça-feira (24), a Fórmula E invadiu a pista do Circuito Ricardo Tormo para dar início aos testes de pré-temporada, contando também com a presença de pilotos novatos que foram selecionados para participar de algumas das sessões.


Apesar de tudo ter corrido bem na parte da manhã, com Mitch Evans fazendo o melhor tempo do dia, um incidente na garagem da WAE (fornecedora das baterias), causou um pequeno incêndio no pit lane durante a pausa entre as sessões, fazendo com que todas as atividades do dia fossem suspensas.


O MOTIVO DO INCÊNDIO


Segundo o que foi informado pelos jornalistas que faziam a cobertura no local, a bateria de um dos carros da DS Penske acabou pegando fogo dentro da garagem da WAE.


Na sessão da manhã, Robert Shwarzman pilotou o carro de Stoffel Vandoorne e em um dado momento da sessão, enquanto fazia voltas rápidas, o carro parou na curva 11 e uma bandeira vermelha foi acionada. O carro teve que ser levado de volta ao pit lane na área de segurança, porque os LEDs do veículo estavam indicando que não era seguro tocar no carro.


A equipe técnica foi acionada para fazer os procedimentos que fazem parte do protocolo para manejamento do veículo e depois que foi identificado um problema com a bateria, a mesma foi retirada pelos mecânicos da DS Penske e levado até a garagem da WAE para que fosse inspecionada pelos especialistas.


A sessão de testes prosseguiu normalmente e durante a pausa entre uma sessão e outra, quando alguns pilotos se preparavam para participar de uma coletiva de imprensa, um alarme soou no autódromo e todos evacuaram conforme as orientações de segurança.


Na área externa, era possível ver uma fumaça saindo da garagem da WAE e rapidamente os bombeiros começaram a trabalhar para conter o foco do incêndio que não se propagou e foi controlado em poucos minutos.



Um dos funcionários da WAE foi levado ao hospital como medida de precaução, mas não foi necessário nenhum tratamento diferenciado e o mesmo foi liberado poucas horas depois.


Em um comunicado oficial, a Fórmula E informou que tudo está sendo investigado juntamente com a FIA. Por conta do incidente, foi decidido que a sessão de testes da tarde seria suspensa, assim como os testes da quarta-feira, com as equipes retomando as atividades de pista somente na quinta, 26 de outubro.


“A investigação e outras avaliações de segurança serão concluídas. A Fórmula E, a FIA e os bombeiros locais estão investigando a causa e fornecerão mais atualizações no devido tempo”, informou a categoria em uma nota publicada nas redes sociais.


Apesar de não confirmado, acredita-se que alguns componentes importantes da WAE foram perdidos no incêndio, o que justificaria o atraso da retomada dos testes.


RECARGA RÁPIDA


Como já revelado pela Fórmula E, o pit stop voltará a acontecer na categoria em algumas corridas selecionadas e nessas paradas os carros vão receber uma recarga rápida na bateria. Apesar de testes internos já estarem ocorrendo ao longos dos meses, somente em Valência que tivemos uma demonstração pública de como o carregamento funciona.


Confira o vídeo abaixo com o carro de Jake Hughes, piloto da McLaren, sendo recarregado:


(Vídeo: The Race)


Infelizmente, devido ao problema do incêndio, as equipes serão prejudicadas nos testes com os carregadores, porque apenas 8 equipamentos foram disponibilizados para serem usados pelas 11 equipes, sendo que cada uma delas tem dois pilotos, além dos novatos que também estão presentes.


Com um dia e meio a menos de testes, o tempo com a nova tecnologia será bem limitado e por mais que as equipes façam testes privados antes do começo da nova temporada, dificilmente os carregadores serão liberados pela Fórmula E.



COMO FOI A SESSÃO DA MANHÃ DOS TESTES


Cinco pilotos novatos entraram em pista na sessão matutina dos testes de terça. Foram eles: Zane Maloney, Andretti (no lugar de Jake Dennis); Robert Shwartzman, DS Penske (no lugar de Stoffel Vandoorne); Taylor Barnard, McLaren (no lugar de Sam Bird); Luca Ghiotto, Nissan (no lugar de Oliver Rowland); Victor Martins, Nissan (no lugar de Sacha Fenestraz).


Após a primeira volta em pista, todos os carros retornaram aos boxes. Na primeira hora do teste, cada equipe aproveitou para analisar uma coisa diferente. A coleta de dados é muito crucial para o desenvolvimento do software dos carros, especialmente, com o congelamento de uma temporada para outra onde grandes mudanças no trem de força não poderão ser realizadas.


As primeiras voltas cronometradas foram de Edoardo Mortara e Nyck de Vries, dupla da Mahindra, mas o tempo atingido foi muito distante das marcas obtidas na pré-temporada de dezembro de 2022, com ambos fazendo voltas que variavam entre 1m29s000 e 1m30s025.


Jake Hughes foi um dos primeiros a abaixar a marca que estava sendo atingida pela maioria do grid no começo da sessão, fazendo uma volta de 1m28s133. Depois dele, Jean-Éric Vergne abaixou o tempo fazendo 1m26s881.


Pascal Wehrlein foi o primeiro piloto a ficar abaixo da marca de 1 minuto e 26 segundos, conseguindo fazer uma volta de 1m25s944. Wehrlein liderou por cerca de uma hora a sessão matutina, sendo seguido de perto pelo seu companheiro de equipe António Félix da Costa e Nick Cassidy.


No começo da segunda hora do teste, Nico Müller assumiu a liderança com o tempo de 1m25s824. Minutos depois a posição foi perdida para Jean-Éric Vergne, mas o piloto da ABT conseguiu recuperar a liderança novamente, com Evans, Vergne e Günther vindo logo atrás.


Depois de sofrer para controlar o carro, tendo saído do traçado por mais três vezes durante a sua stint, o novato Taylor Barnard - piloto da Fórmula 3 escolhido pela McLaren para testar em Valência - fez uma volta de 1m24s929 e assumiu a liderança, posição que ficou durante alguns minutos até Pascal Wehrlein bater o seu tempo.


Com quase duas horas de teste, o brasileiro Lucas di Grassi assumiu a terceira posição e com isso dois carros da ABT CUPRA ficaram dentro do Top 6, com Di Grassi em P3 e Nico Müller em P6. Logo em seguida, aconteceu uma pane com o carro de Robert Shwarzman na curva 11, onde a bandeira vermelha foi acionada para a retirada do veículo.


Na última hora do teste, a maioria dos pilotos começaram a aprimorar os seus tempos, conseguindo ficar na marca de 1 minuto e 25 segundos e com a liderança sendo alterada diversas vezes ao longo dos minutos finais.


Ao encerramento da sessão, Mitch Evans ficou com o melhor tempo ao fazer 1m24s474, seguido por António Félix da Costa com 1m24s617 e Sébastien Buemi, que ocupou a terceira posição com 1m24s641.


Os sete primeiros colocados nos testes da manhã desta terça-feira correram abaixo do melhor tempo estabelecido por Maximilian Günther na pré-temporada passada (1m25s127), indicando o quanto as equipes conseguiram evoluir o Gen3 em apenas 10 meses, já que a última vez que fizeram os testes em Valência foi em dezembro de 2022.


Abaixo você pode conferir qual foi o melhor tempo de todos os pilotos que participaram da sessão matutina:



Os testes de pré-temporada da Fórmula E serão retomados na quinta-feira, 26 de outubro, no Circuito Ricardo Tormo, sendo fechado para a imprensa. O público geral vai poder acompanhar os testes somente na sexta-feira, 27 de outubro, onde também vão poder visitar o pit lane e participar de uma sessão de autógrafos com os pilotos.

Comments


bottom of page