top of page

Norman Nato faz homenagem a Jules Bianchi: "De alguma forma ele ainda está comigo"

Capacete de Nato é semelhante ao usado por Bianchi no GP de Mônaco em 2014, porém, repleto de lembranças de um dia que foi muito importante para os dois



Correr em Mônaco é sempre especial e neste final de semana, a Fórmula E invade as ruas monegascas para a nona etapa do campeonato.

Em meio aos luxuosos iates e carros caríssimos, Mônaco também guarda muitas histórias e uma delas é bem pessoal para um dos pilotos do grid.


Norman Nato anunciou que irá correr em Mônaco com um capacete especial, cujo o design é semelhante com o usado por Jules Bianchi no GP de Mônaco em 2014, a diferença é que o piloto da Nissan incluiu algumas fotos do amigo como forma de tornar ainda mais simbólica a homenagem.


“Um lugar especial, merece um capacete especial. Para aqueles que não sabem, Jules era o meu melhor amigo. Nós nos conhecemos com 8 anos de idade e eu decidi colocar fotos nossas no capacete, assim como fotos dele junto com sua equipe e a foto de quando ele marcou seus primeiros pontos na Fórmula 1”, comentou Nato em um vídeo postado em suas redes sociais.


A corrida em Mônaco tem um significado muito grande para o piloto da Nissan, porque a última vez que o Nato conseguiu vencer em Mônaco foi em 2014, enquanto ele corria na Fórmula Renault 3.5 pela equipe DAMS. Poucas horas depois, na mesma pista, ele viu o amigo Jules Bianchi cruzar a linha de chegada em 9º lugar com o seu carro da Marussia, fazendo assim os seus primeiros pontos dentro da Fórmula 1.


Jules Bianchi celebrando os seus primeiros pontos na F1 (foto: Formula 1)


Por isso, conforme a etapa de Mônaco foi se aproximando, Norman decidiu que queria homenageá-lo em seu capacete. Como a última memória realmente boa que Nato tem quando se trata de corrida em Mônaco foi a etapa realizada em 2014, fez sentido para o francês eternizar isso de alguma forma.


“Eu estou muito feliz e orgulhoso de poder usar esse capacete neste fim de semana. Eu vou usá-lo apenas nessa corrida e depois vai ficar em casa. Vou guardá-lo comigo para sempre”, disse em entrevista ao The Race.


Norman também comentou sobre como é estranho por em palavras a sensação causada ao falar sobre Jules, porque apesar de tudo o que aconteceu, é como se ele ainda permanecesse presente.

Cada segundo passado ao lado do amigo ainda é muito vívido para Nato e ele se sente à vontade para falar sobre o assunto, ainda mais porque todos que tinham uma convivência próxima a Jules, sempre se reúnem para se divertir no kart, algo que costumavam fazer juntos.


“Quando as agendas coincidem, sempre vou com o Charles, Arthur e Stoffel para a pista de kart. Reunimos os amigos e corremos lá por diversão, porque era o tipo de coisa que o Jules adorava fazer no passado, que é simplesmente andar de kart com os seus companheiros, sem pressão, só por diversão e amor a isso”, contou Nato, mencionando os irmãos Leclerc e Vandoorne como parte daqueles que se juntam para organizar esses momentos de descontração entre amigos.


Capacete do Nato para o E-Prix de Mônaco 2023 (foto/reprodução: NISMO)


Norman, assim como grande parte dos amigos íntimos de Jules, se mantém próximo da família Bianchi, inclusive, a família costuma participar desses momentos onde se reúnem para celebrar a vida de Jules e o quanto de amor e alegria ele proporcionou a todos aqueles que tiveram a chance de conhecê-lo verdadeiramente.


O carinho que Nato sente pelo amigo é tão grande, que quando voltou a ter um assento como titular na Fórmula E, ele optou por correr com o número 17 na Nissan, o mesmo número que Bianchi corria na Fórmula 1.


“Tenho muitas histórias boas com ele. É a minha maneira de mantê-lo vivo e não pensar que ele realmente não está mais aqui. Para mim, de alguma forma ele ainda está comigo. Nunca é realmente o fim.”


Comentarios


bottom of page