top of page

Fórmula E no Brasil: Evento de lançamento do E-Prix de São Paulo

Evento fechado para a imprensa e convidados marcou a oficialização da primeira corrida da Fórmula E no Brasil

Os pilotos da Fórmula E, Sérgio Sette Câmara e Lucas Di Grassi, marcaram presença (foto: Sonia Cury - Entre Fórmulas)


Na manhã de quinta-feira (13), a prefeitura de São Paulo sediou o evento de lançamento do E-Prix de São Paulo, que ocorrerá no dia 25 de março de 2023. O Entre Fórmulas esteve presente para acompanhar esse momento tão esperado pelo fã da categoria elétrica.


O evento contou com a presença de Alberto Longo (cofundador da Fórmula E), os pilotos Lucas Di Grassi (Mahindra) e Sérgio Sette Câmara (NIO), assim como Ricardo Nunes (prefeito da cidade de São Paulo), Gustavo Pires (presidente da SPTuris) e Beatriz Sanchez (representante do banco Julius Baer).


No início do evento, Alberto Longo destacou o quanto eles estavam esperando por esse momento da corrida no Brasil e contou que foram 9 anos de trabalho para que isso pudesse vir a acontecer.


“É ótimo estar aqui e anunciar o E-Prix de São Paulo, depois de tantos anos tentando fazer uma corrida no Brasil. A primeira vez que eu vim para cá foi no Rio de Janeiro em 2013 e de lá nós começamos a trabalhar no que está acontecendo agora”, disse.


Longo compartilhou a informação de que a corrida irá gerar cerca de 8 mil empregos de forma direta e indireta, também comentou sobre o ambiente de corrida da Fórmula E, dizendo ser um evento para todos.


“Acredito que muitos aqui já tenham visto uma corrida e a Fórmula E é um evento familiar. É um evento que não importa a sua idade, você vai se divertir. E se você é um apaixonado por automobilismo, você verá uma das corridas mais incríveis”, afirmou.


Lucas Di Grassi, vencedor da terceira temporada da categoria elétrica e embaixador da ONU para o meio ambiente, relatou a sua emoção de finalmente poder correr em sua cidade natal.


“Essa corrida está nos meus sonhos há mais de 10 anos. Eu nasci aqui, cresci aqui e depois de ter passado por Fórmula 3, Fórmula 2, Fórmula 1 e correr no Brasil em corrida endurance no autódromo de Interlagos, ter a Fórmula E aqui para mim é uma emoção muito grande. Eu participei desse projeto desde o começo. Eu acredito na categoria e acredito em construir um futuro melhor. A Fórmula E não vai ser só uma corrida, é um marco que coloca o Brasil nessa transição para uma mobilidade mais sustentável.”


O piloto Sérgio Sette Câmara, também deu a sua palavra sobre ter São Paulo no calendário oficial da Fórmula E e de como é ver isso se tornar realidade.


“Eu fiquei muito feliz em saber que finalmente teríamos uma corrida no Brasil. É um sonho. Eu comecei correndo em Belo Horizonte, logo em seguida eu vim para São Paulo e passei muito tempo nessa cidade correndo nos kartódromos. Estar de volta em casa e correndo na minha terra é importante”, disse.


O mineiro de 24 anos, aproveitou para destacar o seu apreço pela categoria e o quanto deseja fazer carreira nela.


“Eu corro na Fórmula E tem dois anos e meio. Assim como o Lucas, eu acredito muito no campeonato. Eu quero fazer carreira aqui. Quem sabe um dia, como o Lucas, eu possa falar que tive várias conquistas na Fórmula E.”


Lucas Di Grassi, destacou a vantagem do Brasil possuir uma matriz energética que já é renovável devido a grande quantidade de dias em que o sol se faz presente. Isso é um cenário otimista para a inserção dos carros elétricos no país, entretanto, é necessário mais postos de recarga e também acompanhar a queda dos preços dos carros elétricos, que dentro de poucos anos serão acessíveis para mais pessoas.


Em relação ao Gen3, o piloto da Mahindra explicou como essa nova geração de carros fará com que a categoria tenha um salto tecnológico significativo.


“O Gen 3 é o primeiro fórmula que é 4x4. Ele tem motor na frente e atrás. O incrível da geração três é que o nosso motor é um pouco menor do que uma garrafa pet de dois litros. Ele tem mais de 400 cavalos constante de potência e pesa menos de 15kg.”


Sobre a escolha do Anhembi para a corrida, Alberto Longo falou sobre a estrutura do espaço, além do foco da Fórmula E de correr em um circuito de rua. Já dentro do impacto econômico, a expectativa é um lucro que gire em torno de 120 milhões de dólares.


“O Anhembi preenche tudo o que a Fórmula E procura em termos de atrapalhar o menos possível o funcionamento da cidade. É um lugar de fácil acesso pelo transporte público e você está numa área central. Lá tem construído em torno de 30 mil lugares na arquibancada, então, já tem muito da estrutura necessária para se ter um evento da Fórmula E”, disse o cofundador da categoria.


“Muita gente questiona do porquê não ser em Interlagos. A gente tá levando o carro elétrico onde ele precisa ser usado. A gente correu no centro de Paris, Hong Kong, Zurique. Estamos levando o veículo elétrico para o centro da cidade e não em lugares afatastados como Silverstone e Hockenheim”, completou Di Grassi.



SAFETY CAR PERSONALIZADO


Os presentes no evento puderam entrar no safety car (foto: Sonia Cury - Entre Fórmulas)


Na entrada da prefeitura de São Paulo, foi colocado um safety car personalizado, que ficou exposto para quem passava pelo Viaduto do Chá, porém, somente as pessoas convidadas do evento tiveram acesso ao veículo da Porsche pintado de verde e azul em homenagem a corrida no Brasil.


Confira o vídeo abaixo:



O TRAÇADO


Foi liberado uma imagem do traçado do E-Prix de São Paulo, que é similar ao que foi utilizado pela Indy de 2010 a 2013, com algumas alterações implementadas, sendo a principal delas o fato de não passar pela Marginal Tietê, que na época da Indy gerou um certo incômodo na população devido ao trecho que foi usado na corrida.


A pista do E-Prix de São Paulo ainda aguarda a homologação da FIA, mas tem grandes chances de ser aprovada do modo que foi apresentado.

Conforme informado por Lucas Di Grassi, ainda nessa última semana houve uma avaliação da pista e a análise de alguns outros detalhes.

Sobre o tamanho do traçado, ele não irá diferir do padrão da Fórmula E que fica entre os 2,5km e 3,5km.


Traçado do E-Prix de São Paulo ainda aguarda homologação da FIA (foto: FIA Formula E)


INGRESSOS


Já foi liberado um primeiro lote de 5 mil ingressos para o E-Prix de São Paulo que acontece no dia 25 de março de 2023. Você pode adquirir o seu ingresso através do site da Eventim.


Os preços variam de 230 a 375 reais, sendo os setores C, E e H os mais caros e os setores D, F e G os mais baratos.



Comments


bottom of page